Diabetes no paciente idoso: Preguntas frequentes

O diabetes tipo 2 é uma doença comum, especialmente nos idosos. Para evitar suas complicações é preciso fazer o diagnóstico precoce e tratar de forma eficaz.

  1. Tenho diabetes, meu filho também corre risco de ter diabetes?

Resposta: Para as pessoas cujos pais têm diabetes, o risco de desenvolver a doença é 1,5 vezes maior que em outras pessoas. Para minimizar este risco, seu filho deveria seguir uma dieta saudável, reduzindo os açúcares e os carboidratos, assim como fazer exercício pelo menos 30 minutos ao dia 5 dias por semana. Ele também deveria checar regularmente sua glicemia para um eventual diagnóstico de pré-diabetes ou transtorno de tolerância à glicose. Especialmente se seu filho for mulher, deveria revisar os níveis de glicose no sangue (glicemia) durante a gravidez para diagnosticar qualquer alteração glicêmica que possa afetar a ela ou ao feto.

  1. Para os idosos que tem diabetes qual glicemia é considerada normal? E para os que não tem?

Resposta: As pessoas idosas têm a saúde muito diferente, por isso não há um nível de glicose no sangue constante para todos. O médico pode fazer o diagnóstico e então determinar se está na hora de intervir e qual o tratamento adequado para cada paciente. Entretanto, para os idosos saudáveis, os níveis de glicose em jejum é o mesmo das pessoas de qualquer outra idade e que não tem diabetes: até 99 mg/dL e até 140 mg/dL duas horas após a refeição.

  1. Tenho diabetes, o que devo e o que não devo comer?

Resposta: Você pode comer de tudo, apenas deve lembrar que é preciso fracionar as refeições e evitar os abusos. É importante levar em conta a forma em que os alimentos se processam no organismo, se transformando em açúcar e alterando sua glicemia. Uma boa pedida é comer alimentos crus ao invés de processados (como arroz integral por arroz branco, grãos integrais por farinhas, etc). Cuidado com o índice de carboidratos dos alimentos para não elevar muito sua glicemia e também com as calorias para não elevar seu peso. Evitar sal em excesso é uma boa dica para toda a família.

  1. Devo usar remédios a base de ervas para tratar a diabetes?

Resposta: De tempo em tempo ouvimos alguém falar sobre alguma erva ou “produto natural” bom para o diabetes. De fato alguns estudos até comprovam alguma eficácia, porém em doses específicas e sempre com controle médico. O grande problema é que em geral as pessoas tendem a abandonar o tratamento convencional e ficar apenas com o “natural”, o que nem sempre dá certo podendo ainda causar o descontrole glicêmico e antecipar o aparecimento das complicações.

  1. Quando me esqueço de comer antes de fazer exercício, frequentemente fico cansado, suado, enjoado, o que devo fazer?

Resposta: Pode ser sinal de hipoglicemia. Você se encontra nesta situação pelo jejum e pela sobrecarga de exercício. Quando há sintomas como inquietação, fadiga, transpiração, enjoos, é melhor realizar um teste de ponta de dedo. Se a glicemia estiver inferior a 70 mg/dL é preciso fazer a correção com algum carboidrato de rápida absorção (doces, açúcar, refrigerante com açúcar). Aguarde 15 minutos sem praticar exercício e repita o teste, caso seja necessário faça uma nova correção.

  1. Posso deixar de tomar medicamentos de diabetes quando a glicemia já está estável?

Resposta: O diabetes é uma doença que não tem cura. O tratamento para a diabetes inclui seguir uma dieta, fazer exercício e tomar medicamentos. É preciso continuar com a medicação mesmo quando seus resultados estiverem dentro dos níveis esperados. Algumas pessoas, especialmente os idosos, podem obter um nível estável de glicemia mediante a implementação de uma terapia combinando uma dieta adequada com exercícios apropriados, seguindo as indicações do médico.

Evite fritar as verduras frescas como: verduras verdes (brócolis, espinafre, couve frisada), pimentão, tomates, aipo, cenouras, pepinos… Cozinhe e misture-as nas saladas.

As frutas são ricas em vitaminas e fibra: maçãs, peras, laranjas, cerejas, frutas vermelhas como framboesas, morangos… devem-se comer inteiras no lugar de suco para não perder as suas fibras.

Frutos secos como amêndoas, castanhas, nozes… para acrescentar suficientes nutrientes e energia ao corpo.

Finalmente, os diabéticos podem trocar gradualmente sua comida escolhendo menus antes de fazer a compra, limpando regularmente o frigorífico e comprando alimentos saudáveis no lugar dos habituais.